sábado, 22 de abril de 2017

Frente Favela Brasil, Representação em face de Jair Bolsonaro

Saiba mais sobre o andamento do manifesto no vídeo.
Assine o manifesto em:
http://ffavelabrasil.org.br/manifesto.php
#FrenteFavelaBrasil

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1671162693188001&id=100008828595377

segunda-feira, 17 de abril de 2017

domingo, 16 de abril de 2017

Delacoes x Reparação da Escravidão

Apesar das delacoes, a Reparação da Escravidão Negra não está na agenda de nenhum Governo no Brasil

Delacoes x Reparação da Escravidão

Apesar das delacoes, a Reparação da Escravidão Negra não está na agenda de nenhum Governo no Brasil. Humberto Adami

 https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10212415784175346&id=1403274171

segunda-feira, 27 de março de 2017

quinta-feira, 16 de março de 2017

Documentário exibido na OAB é seguido de debate sobre escravidão contemporânea - Humberto Adami

http://www.oab.org.br/noticia/54871/documentario-exibido-na-oab-e-seguido-de-debate-sobre-escravidao-contemporanea

Documentário exibido na OAB é seguido de debate sobre escravidão contemporânea
   
11 / 16
Eugênio Novaes
segunda-feira, 13 de março de 2017 às 20h11
Brasília – O documentário “Menino 23 – Infâncias Perdidas no Brasil” foi exibido nesta segunda-feira (13) na sede do Conselho Federal da OAB como tema de objeto de debate e estudo sobre a escravidão no Brasil, principalmente em suas formas contemporâneas. O presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, Humberto Adami, conduziu os trabalhos.
Além dele, mediaram o debate sobre o tema central do filme a presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB Paraná, Silvana Cristina de Oliveira; o coordenador do curso de Direito da Faciplac, João de Deus Alves de Lima; o representante da mantenedora da Faciplac, Marcio Pereira Dias; a produtora de impacto do filme, Rossana Giesteira; a professora do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Jaqueline Gomes; e o professor representante do Colégio Leonardo da Vinci, Djalma Augusto.
A sessão, que contou com advogadas, advogados, ativistas do movimento afrodescendentes e diversos estudantes, teve início com uma apresentação do Grupo Senzala de Capoeira, do mestre Amendoim. Em seguida, foi exibido o documentário.  
“O filme retrata uma realidade de 1933 comum a todos os mais de 5.643 municípios brasileiros. Ainda hoje ele é bastante atual porque, infelizmente, sabemos que a escravidão deixou seus resquícios de forma marcante na nossa sociedade. É preciso mostrar a história dos afrodescendentes, que foi apagada, que se procura esconder. Ao instigarmos isso, estamos de certa forma reparando esse horror histórico que é a escravidão pós-abolição, na forma deste neonazismo que veremos no filme”, apontou Adami.
Debate
Após a exibição do documentário, teve início uma rodada de reflexões. Para o educador Marcio Pereira Dias, um tema de tamanha complexidade requer mais oportunidades de abordagem. “Não pensem nossos acadêmicos e demais estudantes presentes que a realidade do filme não nos atinge. Está muito mais próxima do que imaginamos e enxergamos. É algo nascido lá atrás mas que se perpetuou. O papel do operador do Direito, mais do que nunca, é o de não se omitir jamais frente a um panorama como este. O passado não pode se apropriar do futuro”, apontou.
A presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB Paraná, Silvana Cristina de Oliveira, falou em seguida. “Na condição feminina, imagino o que as mulheres passavam nessa época. Mulheres negras, então, é algo inimaginável. O debate precisa ser levado adiante”, observou. 
João de Deus Alves de Lima, coordenador do curso de Direito da Faciplac, lembrou que a realidade não pode passar despercebida. “O que vimos no filme é duro e triste, mas aflora em nós o compromisso e a responsabilidade de atuarmos como agentes diretos de transformação social. Seja pela ação concreta ou pela denúncia, o papel de cada cidadão é o de não permitir que isso aconteça”, disse.
Djalma Augusto, do colégio Leonardo da Vinci, também fez o uso da palavra. “Abrimos inscrições para que os alunos assistissem ao filme e muitos vieram. Mas se eu soubesse que era uma obra causadora de tamanha reflexão, eu teria lotado esse auditório só com eles. Este documentário é uma fonte ímpar e única de estudo para o historiador, para o estudante, para quem se interessa pelo resgate da história da maior injustiça social brasileira. Nossa caminhada foi muito mal contada”, lamentou.
O documentário
“Menino 23”, do diretor Belisário Franca, conta a história de garotos negros escravizados durantes 10 anos por fazendeiros ligados ao movimento nazista no interior de São Paulo, na década de 1930.
O diretor chegou à história por meio de pesquisa do historiador Sydney Aguilar, que descobriu uma fazenda que utilizava o símbolo nazista da suástica em tijolos de construção. A pesquisa mostrou que cerca de 50 meninos foram tirados de orfanatos no Rio de Janeiro e levados para a fazenda. O título refere-se a Aloisio Silva, um dos sobreviventes.
Clube de Serviços aos Advogados Contra o Caixa 2
OAB NA WEB Museu Histórico da OAB Relações Internacionais Centro Cultural OAB Editora
Conselho Federal
s
Conselho Federal da OAB  BSI - ISO 9001 Gestão da Qualidade
SAUS Quadra 5 Lote 1 Bloco M - Brasília - DF | CEP 70070-939
Telefone: (61) 2193-9600 | Imprensa: (61) 2193-9678 / (61) 8173-5633 - imprensa@oab.org.br
www.oab.org.br

segunda-feira, 6 de março de 2017

"Não se tem notícias de cidadão negro condenado ou indiciado na Lava-Jato- Ancelmo - O Globo

'Não se tem notícias de cidadão negro condenado ou indiciado na Lava-Jato' | Ancelmo - O Globo
http://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/nao-se-tem-noticias-de-cidadao-negro-condenado-ou-indiciado-na-lava-jato.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=Ancelmo

LAVA-JATO

'Não se tem notícias de cidadão negro condenado ou indiciado na Lava-Jato'
POR ANCELMO GOIS06/03/2017 07:45
A Lava-Jato e os quatro ‘P's’

Quem chamou atenção para este detalhe foi o conhecido ativista do movimento negro fluminense, o cineasta Flávio Leandro: “Não se tem notícias de cidadão negro condenado ou indiciado na Operação Lava-Jato”. Para ele, isso é uma novidade num país que se acostumou a ver presos somente “os quatro P's: preto, prostituta, pobre e ‘paraíba’, em alusão ao nordestino pobre”.

Leandro sacou esse argumento para criticar aqueles do movimento negro, a começar por Marcelo Dias, presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB-RJ, que fazem críticas ao juiz Sérgio Moro. “Tem negro inconformado por ver seus patrões, senhores e sinhazinhas sendo colocados atrás das grades”. Calma, gente.